.posts recentes

. "A VIDA" - poemas de dife...

. A Natureza - Os líquens

. VERDADES DITAS...

. O 11 de Setembro

. O MUNDO É BELO... aqui fi...

. MOMENTOS... em frases, im...

. É HOJE! A Abertura oficia...

. PARABÉNS AVÓS

. PORTO - DOIS LOCAIS A VIS...

. DIA DA TERRA - 22 de Abri...

.arquivos

. Abril 2013

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Abril 2012

. Janeiro 2012

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

Domingo, 14 de Abril de 2013

"A VIDA" - poemas de diferentes poetas

TABACARIA       

 

Não sou nada.      

Nunca serei nada.      

Não posso querer ser nada.      

À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.     (…)

 

Conquistámos todo o mundo antes de nos levantar da cama;       

Mas acordámos e ele é opaco,       

 Levantámo-nos e ele é alheio,       

Saímos de casa e ele é a terra inteira,       

Mais o sistema solar e a Via Láctea e o Indefinido.     (…)

 

Que sei eu do que serei, eu que não sei o que sou?      

Ser o que penso? Mas penso ser tanta coisa!      

E há tantos que pensam ser a mesma coisa que não pode haver tantos!      

Génio? Neste momento      

Cem mil cérebros se concebem em sonho génios como eu,      

E a história não marcará, quem sabe?, nem um,      

Nem haverá senão estrume de tantas conquistas futuras.    (...)

 

Come chocolates, pequena;       

Come chocolates!       

Olha que não há mais metafísica no mundo senão chocolates.      

 

Fernando Pessoa, 1888-1935, poeta português, Tabacaria

Tabacaria, de Fernando Pessoa, é indubitavelmente um dos mais extraordinários poemas do século XX.

Ele é característico da poesia de Pessoa, da sua componente filosófica, do questionamento que ele faz da vida e do seu sentido.

           {#emotions_dlg.default}{#emotions_dlg.default}{#emotions_dlg.default}{#emotions_dlg.default}{#emotions_dlg.default}

A VIDA

 

Eu aprendi... ...que ignorar os fatos não os altera;
Eu aprendi... ...que quando você planeja se nivelar com alguém, apenas esta permitindo que essa pessoa continue a magoar você;
Eu aprendi... ...que o AMOR, e não o TEMPO, é que cura todas as feridas;
Eu aprendi... ...que ninguém é perfeito até que você se apaixone por essa pessoa;
Eu aprendi... ...que a vida é dura, mas eu sou mais ainda;
Eu aprendi... ...que as oportunidades nunca são perdidas; alguém vai aproveitar as que você perdeu.
Eu aprendi... ...que quando o ancoradouro se torna amargo a felicidade vai aportar em outro lugar;
Eu aprendi... ...que não posso escolher como me sinto, mas posso escolher o que fazer a respeito;
Eu aprendi... ...que todos querem viver no topo da montanha, mas toda felicidade e crescimento ocorre quando você esta escalando-a;
Eu aprendi... ...que quanto menos tempo tenho, mais coisas consigo fazer.

(Boa tarde , A de Amor )

 

William Shakespeare

 

             {#emotions_dlg.default}{#emotions_dlg.default}{#emotions_dlg.default}{#emotions_dlg.default}{#emotions_dlg.default}

 A VIDA

 

A vida, acredita, não é um sonho      

Tão negro quanto os sábios dizem ser.      

Frequentemente uma manhã cinzenta    

Prenuncia uma tarde agradável e soalhenta.

 

Às vezes há nuvens sombrias      

Mas é apenas em certos dias;      

Se a chuvada faz as rosas florir    

Ó porquê lamentar e não sorrir?

 

Rapidamente, alegremente      

As soalhentas horas da vida vão passando      

Agradecidamente, animadamente      

Goza-as enquanto vão voando.

 

E quando por vezes a Morte aparece      

E consigo o que de Melhor temos desaparece?      

E quando a dor se aprofunda      

E a esperança vencida se afunda?

 

Oh, mesmo então a esperança há-de renascer,       

Inconquistável, sem nunca morrer.      

Alegre com a sua asa dourada      

Suficientemente forte para nos fazer sentir bem      

Corajosamente, sem medo de nada      

Enfrenta o dia do julgamento que vem.      

 Porque gloriosamente, vitoriosamente      

Pode a coragem o desespero vencer. 

 

Poema lírico-juvenil Emile Brontë      

Emile Bronte, 1818-48, escritora inglês, Life

             {#emotions_dlg.default}{#emotions_dlg.default}{#emotions_dlg.default}{#emotions_dlg.default}{#emotions_dlg.default}

 

               {#emotions_dlg.default}{#emotions_dlg.default}{#emotions_dlg.default}{#emotions_dlg.default}{#emotions_dlg.default}

 

 


publicado por SAMY às 18:44

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.favorito

. Estado de espírito

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds